Para muitas famílias, em especial para mães, esta é uma semana cheia de sentimentos opostos. Alívio, pois com a volta às aulas se aproximando, a vida retoma o ritmo normal e a concentração dos pais no trabalho deixa de ser um enorme malabarismo.

Só que não dá para ser totalmente feliz: logo vem a lembrança de que agora são somente dois bimestres para recuperar aquelas notas baixas que se acumularam. E o agravante – a impressão de que seu filho, o maior interessado no assunto, não está nem aí.f2f2cd_eb36b2be6e1d44fc9adc86f93af69819-mv2

Está se identificando com a situação? Pois bem, você não está sozinha! E sua ajuda será fundamental agora!

Infelizmente a primeira notícia que temos em relação a isso não é nada boa. Não existe milagre que resolva a sequência de notas baixas. Ainda que o problema esteja em uma só matéria, o foco principal é assumir que o problema pode não ser o conteúdo. Na prática, significa eliminar da sua vida afirmações do tipo “ah, ele odeia essa matéria” ou “essa professora não vai com a cara dele, por isso ele vai mal nessa matéria”.

Caso seu filho esteja com notas baixas em diversas matérias, outra notícia pouco animadora: reforço do conteúdo não vai resolver. Sem uma ação diferente, que foque em resolver a dificuldade que ele tem em estudar de forma eficaz, a sequência de mau desempenho vai continuar. E a tendência é que as notas permaneçam baixas, pois assim como você, seu filho já não tem tanta certeza de que consegue reverter esse quadro.

Mas calma: não é falta de vontade, não é descaso com todo o trabalho que vocês pais têm para manter a casa, alimentos, uniforme, transporte, enfim, tudo o que está envolvido na educação dos filhos. O problema é que notas baixas geram um círculo vicioso em que a auto estima fica em níveis baixos, tanto pelo mau resultado na escola quanto pela imagem que os pais passam a ter de seus filhos. Com a auto estima baixa, o próprio cérebro se recusa a fazer o esforço necessário para aprender, o que gera mais notas baixas.

Fingir que não se importa acaba sendo a única saída que o aluno vê ao seu alcance, já que nem se acha capaz e nem sabe como sair deste círculo no qual está envolvido.

As dicas de como você, pai ou responsável pode ajudar são:

  • Mudar sua postura em relação à capacidade que seu filho tem de assumir responsabilidade pelos próprios estudos. É um enorme desafio, porém, necessário. Não sem motivo, os pais estão em pânico com a relação que seus filhos têm com os estudos. A forma como reagem, porém, não ajuda em nada. Pare um pouquinho e pense em como você se expressa quando fala com seu filho sobre a escola, notas, provas. Também em consequência de resultados negativos, os pais passam a tratar os filhos como pessoas incapazes de assumir a responsabilidade que é deles. Em muitos casos, os pais chegam a implorar e até a fazer acordos envolvendo trocas que não fazem sentido, pois reforçam nos filhos a ideia de que ir bem nos estudos é um favor que estão fazendo aos pais. Sim, seu filho precisa de elogios quando se esforça. Contudo, precisa também ter consciência de que baixo desempenho escolar trará consequências negativas para ele e não para você, responsável. Então nada de chorar ou implorar para que seu filho leia aquele livro sobre o qual terá prova. Sente-se com ele e seja firme, porém calma e coloque a realidade: se não ler, não vai ter como tirar nota. Se não tirar nota, será reprovado. Os amigos irão para a série seguinte e ele vai arcar com a consequência das decisões que tomou. Você não tem como obrigá-lo a ler, mas pode deixar a casa sem TV e sem internet, de forma que ler passe a ser uma das poucas opções do que fazer.
  • A família toda precisa mudar de hábitos para que a criança ou adolescente consiga sair do círculo vicioso de maus resultados na escola. Pensei nisso como se fosse uma reeducação alimentar. Imagine que seu filho esteja com problemas de saúde por  conta de má alimentação. Pode estar obeso ou com qualquer outra necessidade do organismo a ser suprida. Não vai adiantar você fazer legumes e grelhado para ele se na mesma mesa servir fritura e açúcar para vocês, pais. Hábitos saudáveis de estudo vão também requerer exemplo e um ambiente com menor número de tentações possível, pelo menos até que o novo hábito esteja assimilado. Uma sugestão prática: criar a hora da leitura. Todas as terças e quintas, das 19:00 até 20:00 horas, todos os membros da família estarão com suas telinhas desligadas, lendo. Que tal? Na pior das hipóteses, vocês, pais, vão conseguir entender o quanto isso é desafiador nos dias atuais.
  • Atenção, porém, que isso pode não ser suficiente. Seu filho pode realmente não saber o que fazer para conseguir focar na hora do estudo. Na maioria dos casos, a criança ou adolescente realmente não sabe como driblar as distrações e se concentrar para ler ou estudar a matéria da prova. Ele precisa de ajuda.
  • Se precisar de ajuda, para que seu filho desenvolva hábitos saudáveis de estudo, mande um email para socorro@meufilhonaoestuda.com.br, com o assunto SOS.

Bom segundo semestre letivo! Sobreviveremos!

Socorro, meu filho só tem dois bimestres para recuperar as notas baixas!

Posts Relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.