O fim do estresse dentro de casa na hora da tarefa

Primeiro, estabeleça um rotina: Qual o melhor horário para fazer a tarefa?

O melhor é fazer a tarefa sempre no mesmo horário. A rotina é um fator muito importante para obter sucesso nos estudos e na tarefa. O que queremos dizer com sucesso? Sucesso é tarefa concluída sem sofrimento, sem brigas, sem discussão e que a criança realmente aprenda nesse momento. Algumas crianças gostam de fazer o dever logo depois da escola, assim sobra mais tempo livre para brincar depois. Outras precisam gastar energia, correr, brincar quando saem da escola e só depois conseguem focar nos estudos novamente. O importante é você ajudar seu filho a descobrir qual o melhor horário para ele fazer a tarefa e, depois de descoberto, fazer disso uma rotina, mantendo sempre o mesmo horário.

Durante a tarefa, sugerimos o uso de um cronômetro. Temos uma opção de timer na nossa lojinha aqui. E com ele você pode fazer duas atividades e ver qual tem melhor efeito para tornar o momento da tarefa em casa menos cansativo:

1. Proponha o desafio do relógio. Olhe as primeiras atividades do dever de casa e calcule quanto tempo você acha que ele precisa para concluí-las. Pode perguntar para ele também: “quanto tempo você acha que precisa para acabar até o exercício 5?” Adicione alguns minutinhos ao tempo que você acha que será necessário e coloque no cronômetro. Se ele conseguir acabar as atividades, bem feitas, antes do relógio despertar, ele ganha! Se ele não conseguir, pode continuar tentando.

Essa proposta insere uma dose extra de desafio para a hora do dever de casa ficar menos cansativa e mais envolvente. O cérebro precisa de um pouquinho de estresse, que na medida certa, funciona como um incentivo para ele concluir focado o dever que trouxe para casa. 

2. Coloque 15 minutos no cronômetro e explique ao seu filho que ele precisa se concentrar no dever até o alarme soar. Quando despertar, coloque 5 minutos, que será o tempo de pausa para ir ao banheiro, beber água e fazer o que quiser, desde que saia da cadeira e se movimente. Quando despertar, seu filho deve voltar para o dever de casa e você marca mais 15 minutos e assim por diante. Quando seu filho faz pausas e se movimenta, o cérebro recebe mais oxigênio e mais nutrientes, o que o torna mais predisposto ao estudo. 

Que tal começar hoje mesmo a estabelecer a rotina de horário e pausas para a hora da tarefa?

No vídeo abaixo você encontra mais 2 dicas para a hora da tarefa dos filhos 

 

Precisa estudar no feriado?

A resposta é não! O melhor a fazer é aproveitar os dias para descansar e enriquecer a memória de longo prazo com recursos que ajudarão a tornar o final do ano letivo mais produtivo e prazeroso.
Caso seu filho tenha matéria acumulada ou provas na próxima semana, a sugestão é colocar tudo em dia, estudando e fazendo a tarefa na quinta feira. Assim os próximos três dias podem ser aproveitados plenamente, sem remorso ou culpa, para turbinar o cérebro e voltar na segunda feira com todo o gás necessário para arrasar e terminar o ano tranquilamente.
Atividades como assistir TV, preparar um lanche, ler uma revisa em quadrinhos e deitar na grama em um parque ajudam a relaxar e também a preparar um arsenal de memórias que serão utilizadas no momento da aprendizagem e dos estudos.

Ao tentar evitar o estresse de terminar tarefa, trabalhos e estudos na quinta feira, deixando tudo para o último dia do feriado prolongado, geralmente domingo final do dia, as consequências são péssimas. A sensação que fica ao longo do feriado, e que se consolida no domingo, é: fazer a tarefa/estudar = um peso, um martírio, a escola como vilã e a aprendizagem como tortura.
A dica é acordar mais tarde na quinta, tomar o café tranquilamente e pegar firme para terminar tudo o que precisa ser feito em relação aos estudos. Não se esqueça dos intervalos de 5 minutos a cada 30 minutos de estudo totalmente focado! Depois disso, é curtir o feriado e a sensação de prazer do dever cumprido!

Mesmo alunos que irão prestar Enem ou vestibular nos próximos meses precisam desse descanso!
Bora lá curtir o feriado prolongado com a família? E nada de ficar os quatro dias em uma só atividade hein!!!

Vídeo: 3 coisas que só os pais podem fazer:

Semana de provas na escola sem estresse dentro de casa – realidade ou ficção?

Você que tem filho na idade escolar, pare um pouquinho o que estiver fazendo e tente lembrar de quando você era criança ou adolescente. Mais que isso, pense nos momentos de tensão que enfrentou em semana de prova.

Agora tente se lembrar de como era o clima dentro de casa, na rotina da família.

Se você foi um dos felizardos a ter pais que se preocupavam em acompanhar seu desenvolvimento na escola, provavelmente vai se recordar de alguns momentos em que todos estavam atentos para que tudo corresse bem.

Volte agora para o presente e pense como está a rotina da sua família agora que o segundo semestre já está a todo vapor e que as semanas de prova passam a ter um peso enorme no resultado final do ano letivo.

Talvez seu filho também seja um felizardo e tenha os responsáveis acompanhando todo o processo. Mas há uma diferença que não podemos negar: o nível de estresse que se instala na rotina das famílias quando chega a época de provas escolares.

Com a rotina tão corrida e o acúmulo de atividades que pais e filhos assumem, o que era uma simples etapa da rotina escolar se tornou uma das causas de brigas, estresse e tensão na vida das famílias.

Recebemos mensagens de pais desesperados e mães em pânico. Encontramos casais que acabam por ter inclusive a relação abalada diante de discordâncias sobre como a semana de prova deve alterar a rotina dentro de casa.

A boa notícia nisso tudo é que saber que os pais ainda se preocupam em participar dos estudos dos filhos. E a má notícia é que toda essa pressão em torno de uma semana que deveria ser bem tranquila só prejudica. Prejudica as notas? Não, bem pior: gera nos estudantes uma relação ainda mais negativa com os estudos, afinal, não bastando a própria cobrança e receio em decepcionar, agora a família toda se vê em um clima pesado, com brigas e discussões desnecessárias.

Que tal considerar a semana de provas uma etapa que faz parte do processo de aprendizagem  e que tem como objetivo dar à família e ao aluno uma sinalização de que conteúdos precisam de mais atenção?

Mais fácil ouvir do que colocar em prática, sabemos disso. Para ajudar a família a sobreviver a esse período sem grandes tumultos e com bons resultados, gravamos um vídeo com três dicas para a semana de provas.

Você pode assistir, colocar em prática e ajudar seu filho a passar por esse período de forma mais tranquila, pois o estado emocional equilibrado de toda a família é um grande aliado para que a aprendizagem aconteça de forma mais tranquila!

 

Estudar para… passar de ano? Para ter um bom futuro?

Quando perguntamos às crianças por que elas têm que estudar, a maioria reproduz o que sempre ouve dos pais ou dos adultos com os quais convive. Mas qual o problema em falar que a criança tem que estudar para passar de ano ou para ter um bom futuro?

Diversos estudos foram feitos para testar a motivação de crianças para os estudos. Nos testes foram utilizados M&M, marshmallow e diversos outros alimentos de tentação para crianças. Todos os testes comprovaram que quanto mais concreta for a meta e mais curto o prazo para cumpri-la, maior a motivação.

Se voltarmos para a tentativa de dar ao filho uma razão para estudar, vemos que os motivos que os pais colocam são exatamente o inverso do que mostra a pesquisa. Além de abstratas (o que é um bom futuro, afinal?), são metas de longuíssimo prazo: estudar hoje com o objetivo de passar de ano daqui a 10 meses é uma meta muito distante para uma criança.

O que fazer na prática?

Se você continua acreditando que “passar de ano” e “ter um bom futuro” são bons motivos para seu filho estudar, esses mesmos estudos mostraram que o mecanismo para atingir uma meta de longo prazo pode ser dividido em duas partes: motivação e autocontrole.

Ambas são essenciais juntas. Um exemplo prático é a resolução de começo de ano que muitos de nós tomamos – emagrecer. Você pode estar muito motivado para cumprir esta meta, mas a menos que tenha o autocontrole de resistir ao bolo de brigadeiro do aniversariante do mês, não vai conseguir. O mesmo se aplica para os estudos de seu filho. Não basta ele ter toda a vontade do mundo para passar de ano ou “ter um bom futuro”. Ele precisa também do autocontrole para estudar todos os dias, dormir cedo e prestar atenção na aula.

A notícia boa é que seu filho pode exercitar o autocontrole com atividades simples, como organizar o próprio quarto ou os brinquedos.

Para conseguir a motivação, porém, ele precisa ser capaz de enxergar benefícios em espaços de tempo mais curtos, ou não conseguirá conectar seus esforços aos resultados obtidos. Você pode ajudar mostrando a ele que fez a tarefa em menos tempo e com mais facilidade porque prestou atenção na aula ou porque dormiu mais cedo no dia anterior. Na semana seguinte, lembrar que conseguiu fazer uma atividade mais complexa que veio no dever de casa porque se dedicou às tarefas das semanas anteriores. Dessa forma você o ajudará a motivar-se por enxergar consequências positivas para ele próprio, advindas de atitudes simples no dia a dia da vida escolar. Conectar resultados da semana com atitudes das semanas anteriores é uma excelente maneira para ajudar seu filho a manter a motivação para os estudos.

A dica mais simples é tentar traçar com seu filho metas concretas e de curto prazo. Que tal pensar em uma meta para cada semana ao invés de pensar somente no final do ano?

Seu filho se esquece de tudo?

Seu filho se esquece de tudo? Vai para a escola e esquece o material em casa, chega em casa e esqueceu o material na escola?

A cabeça das crianças e adolescentes realmente está cada vez mais “cheia” de informações. Vivemos em ambientes mais atribulados, dias mais corridos e espaços mais cheios de objetos e pertences do que viviam nossos pais ou avós. Todo esse acúmulo tem consequências para nossa capacidade de foco e concentração. O impacto aparece na relação com os estudos e aprendizagem. A boa notícia é que podemos ajudar nossos filhos a lidar com tudo isso de forma mais equilibrada.

 No caso específico do material escolar, além de caracterizar esquecimento, é também uma oportunidade de ajudar seu filho a desenvolver o senso de responsabilidade, já que ele deve ser o responsável pelo seu próprio material escolar.

A dica é: separar uma caixa (pode ser de plástico ou de papelão) e deixá-la perto da porta de saída da casa. Todo dia ao chegar da escola, ele deve colocar todo o material dentro da caixa. Depois que acabar a tarefa devolve o material escolar na caixa. No dia seguinte, a caixa deve ser a última parada antes de sair de casa para ir à escola. Ali ele seleciona todo o material que ele vai ter que levar naquele dia e confere se pegou tudo aquilo de que precisará naquele dia de aula.

A caixa ajuda para que seu filho aprenda a se organizar e a se responsabilizar pelo que é dele. O fato de estar próximo à porta de saída coloca o foco naquilo antes de sair. E saber que somente ele coloca e tira material da caixa, dá a consciência de que o responsável é ele e ninguém mais.

Aos poucos, você pode ir movendo a caixa para mais longe da porta, até chegar no quarto dele, onde o material deve ser guardado todos os dias e onde ele deve pegar o material antes de ir para a escola.

Que tal começar o ano ajudando seu filho a desenvolver senso de responsabilidade e de organização? Um idéia para envolvê-lo ainda mais na aplicação da ideia é personalizar com ele a caixa. Para filhos mais novos, vocês podem  fazer colagens ou desenho. Já os mais velhos podem escrever letras de músicas ou colar pôsteres de assuntos de interesse pessoal.

Lembre-se: você jamais, em hipótese alguma, guarda ou retira material da caixa!